Dia da Tarântula

(1 de Julho) Não poderiamos começar de melhor forma a entrada no quente mês de Julho. Fomos em busca da famosa Aranha-lobo (Hogna ingens), mais conhecida pela "Tarântula das Desertas". Juntamente com o Vigilante Martinho, trepei as encostas íngremes até ao Vale da Castanheira, único local de permanência da Aranha. Caminhada de 3:30h apenas para lá chegar. A primeira paragem deu-se nos “Castelinhos”, formações de cinzas e areão vulcanicos.


Passámos por locais belíssimos e super escarpados ao qual os vigilantes chamam “Caminho do Risco”. Passámos ainda pelo mais antigo vigilante da ilha, uma formação rochosa com a figura de um busto, natural.


Durante o percurso passamos ainda por formações incríveis, chamadas “Casca de cebola”, são rochas que parecem ser cuspidas do chão e formam lâminas de rocha nas laterais, daí o seu nome.
Ao chegar ao vale da castanheira, passamos 1h a levantar pedra à procura da Tarântula. Ao fim de muitas pedras levantadas lá conseguimos encontrar um juvenil e uma fêmea com o saco dos ovos. Acontecimento relativamente mal fotografado até então.


São enormes estas aranhas, pelo que devem o nome "Tarântula", ao seu porte...

1 comentário:

Fernando Romão disse...

Bravo pela reportagem das Ilhas Desertas!
Muito boa qualidade fotográfica.
Abraço